Tu View

A máfia dos Tigres e a loucura que são esses caras

08/12/2021
A máfia dos Tigres e a loucura que são esses caras | Jornal da Orla

Olha, confesso pra vocês que sou um amante de confusão – hahahaha. Sou da época (nossa, me senti velho) do teste de fidelidade do João Kleber, de teste de DNA no Ratinho, e Casos de família (engraçado como esses 3 quadros têm uma linearidade obscura), no auge de sua existência, ou seja pra mim, esses cenários de confusão e breguice são um prato cheio.

Ano passado estreou na Netflix o espetacular e surpreendente Mafia dos Tigres (trailer abaixo), uma serie documental que conta a história de Joe Exotic um cara, como posso dizer, exótico. Um homossexual red neck, que dubla country, cria felinos de grande porte, usa penteados de gosto peculiar e de uma infantilidade sem tamanho.

A série é muito bem dirigida e a primeira temporada colocou holofotes em uma das histórias mais malucas que já acompanhei.

Digo pra vocês, se fosse um roteiro de ficção não seria tão bem escrita. Me lembrou do também ótimo Wild Wild Country, (assistam), uma série sobre donos de zoológicos de felinos de grande porte. Era pra ser sobre os animais, mas estes, mesmo com toda a beleza e imponência, não são pários para as personalidades bizarras que são seus donos.

O mais legal da temporada 2, recentemente lançada, é ver a fama que personagens tão malucos e caricatos conquistaram graças a temporada 1 (um verdadeiro frissom nos EUA) e o que estão fazendo com ela. Mas, olha meus amigos e amigas, que troço insano! Tem Swat, morte em massa de animais silvestres (trágico demais), uma reviravolta em um crime que aconteceu nos anos 90, prisões, advogados estrelas (ahh saudades de Better Call Saul) e os depoimentos mais estranhos que vi em anos de documentários. Tudo brilhantemente editado e dirigido – a produção da Netflix consegue extrair situações e bizarrices ainda mais inesperadas que os personagens que fazem de Mafia dos Tigres um épico, até mesmo uma mentira descarada e mal encenada que pode virar objeto de investigação da polícia.

Engraçado e curioso ver esse lado americano, um lado mais obscuro que Hollywood não retrata, um lado “feio” mas real, um reflexo de um governo abestalhado (para ser honesto), situações constrangedoras e tudo, mas tudo está lá: Corrida presidencial bizarra, armações do governo conspiradas por um estelionatário, tentativas de assassinato, ONGs como plano de fundo para lucros absurdos, trabalho escravo, mutilações e até uma figura patética em seu JetSki fazendo pose no por do sol.

Mafia dos Tigres 1 foi umas das melhores séries que vi na pandemia, a parte 2 é idiotamente perfeita, trash e surpreendente.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete a linha editorial e ideológica do Jornal da Orla. O jornal não se responsabiliza pelas colunas publicadas neste espaço.