Geral

Supremo determina urgência para julgamento da revisão do FGTS

25/03/2014
Supremo determina urgência para julgamento da revisão do FGTS | Jornal da Orla
 
O Supremo Tribunal Federal vai julgar com urgência a ação do Solidariedade que pede a mudança da taxa utilizada na correção do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Se julgada procedente, a ação fará com que milhões de trabalhadores sejam beneficiados.
 
A ação argumenta que os trabalhadores com saldos no FGTS entre 1999 e 2013 tiveram suas contas atualizadas pela Taxa Referencial de Juros, que é uma taxa menor do que a inflação, o que é inconstitucional.
 
“O uso da TR para atualizar o saldo do FGTS é o maior assalto ao trabalhador da história desse País”, afirma o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, presidente do Solidariedade. “Segundo os nossos cálculos, os trabalhadores tiveram um prejuízo de cerca de R$ 313 bilhões nesse período”, explica. 
 
Para Paulinho, o fato de o Supremo ter decidido a favor da urgência para julgar a questão mostra “sensibilidade para com a situação e os argumentos dos trabalhadores”. Ele se diz “confiante” quanto à vitória dos trabalhadores: “o rombo é claramente inconstitucional, pois diminui o poder de compra de uma reserva que deveria servir ao trabalhador em caso de desemprego ou de doença grave por exemplo”.
 
Em despacho monocrático, o ministro relator, Luís Roberto Barroso, reconheceu a importância e urgência da discussão para milhões de trabalhadores e adotou um regime de tramitação de urgência (regime previsto pelo art. 12 da Lei nº 9.868/1999) para o julgamento da Adin.
 
Barroso admitiu o Banco Central como parte no processo (amicus curiae) para que possa explicar as alegações de manipulação da TR e pediu para o Advogado-Geral da União e o Procurador-Geral da União se manifestarem nos prazos de 5 dias cada um.