Santos

Morro de Santos passa por capinação e limpeza para aumentar a segurança de encosta

20/06/2024
Divulgação/Prefeitura de Santos

Pelo menos oito fendas e grotas foram expostas durante os serviços de capinação e limpeza em execução no Morro São Bento, onde a Prefeitura realiza obras para garantir mais segurança em trecho de encosta, entre a Rua Santa Mercedes e o Complexo Esportivo e Cultural Marina Magalhães dos Santos Silva.

A vegetação cobriu totalmente a área da encosta afetada por deslizamentos de solo em março de 2020 e janeiro de 2022, em decorrência de fortes chuvas, e dificultou a localização das fendas e grotas, de acordo com técnicos da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seinfra), responsável pela supervisão das obras. Eles ressaltam a importância das intervenções em andamento, lembrando que, com a ocorrência de chuva, a água continuará se infiltrando na encosta, podendo causar o despreendimento de rochas. Em 2021, a Prefeitura promoveu limpeza da área afetada pelo deslizamento e executou proteção superficial de calda de cimento no local mais crítico quanto à estabilidade da encosta. O local permaneceu sob atenção.

As obras, indicadas por geólogos da Defesa Civil, ocorrem em 1.306,07m², trecho onde existe um talude com altura máxima de 40m, sujeito a problemas de estabilidade. No local, foram realizadas seis sondagens, a cargo de geólogos. Após o término dos serviços de capinação e limpeza, com a remoção de raízes remanescentes de troncos de árvores previsto para o final deste mês, será realizada a regularização manual de taludes de cortes e aterros, prosseguiu o engenheiro.

O retaludamento é um processo de terraplanagem pelo qual se alteram, por cortes ou aterros, os taludes de um determinado local, de forma a nivelar o terreno e garantir sua estabilização posterior. “O projeto envolve também o assentamento de seis metros de tubulações de concreto para a rede pluvial, com diâmetro de 400 milímetros, e 95 metros de tubos de PVC de 300 milímetros para as readequações de drenagem”, explicou o engenheiro civil Márcio Augusto Salgueiro Lima.

Já o talude será protegido e estabilizado com a execução de solo grampeado verde e com concreto projetado (lançado sob pressão, por mangote). A fixação de grampos cobrirá 2.550 metros em solo e 1.530m em rocha, com o concreto projetado alcançando 10 centímetros de espessura.

Márcio Lima lembra que a técnica de solo grampeado é ponto fundamental da obra de contenção. “Ele é responsável por interligar a superfície do talude com as camadas rochosas do maciço, garantindo a ancoragem necessária para reduzir ao mínimo a possibilidade de novos movimentos de terra por gravidade”. Nessa etapa, serão introduzidos drenos horizontais profundos (DHP) em 555 metros, constituídos por tubos ranhurados revestidos, cuja função é conduzir para o exterior a água contida no interior do maciço, capaz de comprometer a estabilidade do talude. “Com esses drenos, a carga exercida pela água no solo é menor”, frisou o engenheiro.

Na sequência, haverá a aplicação de 840m² de geocomposto para drenagem, formado por 15,06m² de geomanta com 90% de vazios, com reforço metálico em 410m² de tela hexagonal. Sob a geomanta, ocorrerá a colocação de terra vegetal para o plantio de 410m² de grama em placas, de forma a recompor o terreno. O projeto se completa com a execução de uma escada hidráulica de 43,13 metros lineares (56,07m²), dotada de três poços de visita (início, meio e final da construção) com laterais de 1,5 metro e profundidade de 1,4 metro; canaleta meia cana (aberta) de concreto e de 28,4m³ de passeios em concreto moldado (290,16m²).